shield explo

Lembram do Shield, aquele híbrido de tablet Android com console portátil? A Nvidia está lançando um novo modelo, agora com uma aparência que tende mais para “tablet android” do que para “console portátil”.

Quando o Shield foi lançado ano passado, rapidamente ficou claro que ele era o melhor eletrônico baseado em Android para games. Além de possuir uma GPU (Tegra 4) de potência considerável, ele era capaz de truques como receber o streaming pela rede Wi-Fi de jogos que estivessem rodando no PC com uma placa GTX. O controle integrado também era uma adição bem interessante que se destacava entre outros gamepads para Android pela qualidade de construção.

O problema óbvio do Shield é que ele não se encaixava no caso de uso como tablet Android: suas dimensões o tornavam inconveniente, a tela era relativamente pequena e era difícil usa-lo na orientação vertical. No final das contas, ele acabou se tornando um produto para um nicho bem restrito: gamers dedicados ao ecossistema do Android e donoso de placas de vídeo avançadas da Nvidia. Mas a empresa prestou atenção nesse fato e está tentando alcançar um mercado mais amplo com o Shield Tablet. Ele agora é um tablet de formato convencional que pode ser comprado com um controle sem fio.

O novo aparelho é baseado no SoC Tegra K1, que combina 4 núcleos Cortex A15s rodando a 2,2GHz com uma GPU baseada na arquitetura Kepler (GK20A), a mesma encontrada em várias placas de vídeo da Nvidia para desktop da série 600, 700 e 800 (com maiores restrições energéticas, obviamente). Essa GPU tem 192 stream processors e suporta tanto OpenGL ES 3.1 quanto OpenGL 4.4 e DirectX11. Simplificando, isso quer dizer que ela lida melhor com ports de jogos desenvolvidos para PC e outras plataformas que usam essas APIs. Half Life 2 e Portal, por exemplo, já foram traduzidos para o Shield e o novo modelo virá com cópia grátis de Trine 2.

Quanto à memória, o Shield Tablet usa 2 GB de RAM DDR3L e será vendido em uma versão com 16 GB de NAND por 299 dólares e em outra com 32 GB e suporte a LTE por 399 dólares. Se 16 GB parece pouco para um aparelho dedicado a jogos, a presença do slot microSD deve aliviar essas preocupações. Para suportar todo esse hardware, a Nvidia está usando uma bateria grande de 5197 mAh.

Focando um pouco no lado mais tablet da história, o aparelho roda Android 4.4.2 (KitKat) em uma tela de 8″ com resolução 1920 x 1200. Ou seja, trata-se de uma tela de proporção 16:10, como é comum entre os tablets Android. Assim como o Tegra Note, ele já vem com uma caneta Stylus e usa a tela capacitiva de maneira engenhosa para emular efeitos típicos de mesas digitalizadoras. Supostamente, a caneta do Shield Tablet tornou-se ainda melhor granças a uma redução da latência de traço.

O tablet também terá uma câmera frontal de 5 MP que pode ser usada para incluir a face do jogador em um streaming de vídeo para o Twitch. Sim, o Shield tablet será o primeiro tablet Android a fazer streaming direto para a rede de vídeos de games. Falando em streaming, o Shield melhorou o recurso de streaming de games a partir do PC. Graças à inclusão de um adaptador Wi-Fi com suporte a 5GHz em uma configuração 2 x 2, a latência dos controles deve diminuir. A resolução de streaming ainda está limitada a 720p, mas essa é uma questão menor quando comparada à latência.

Pin It on Pinterest