Escolha uma Página
Broadwell

Novo processador em destaque – Imagem: Divulgação/Intel

 

Quem cogitou que a Intel tivesse atingido o limite físico do processo de fabricação de chips, felizmente se enganou. Hoje, 11 de Agosto, a tradicional fabricante de processadores com arquitetura CISC (Complex Instruction Set Computer) anunciou detalhes de seu novo processador, o Intel Core M, com microarquitetura Broadwell. O novo processo de fabricação utiliza tecnologia de 14 nanômetros. Para lembrar, a lei de Moore afirma que o número de transistores em um chip dobra a cada dois anos. Então, mais uma vez na história, a lei pode ser cumprida.

Antes de entrar nos detalhes, vale observar a comparação proposta pela empresa. Segundo a Intel, em comparação com o Intel Core Processor de 2010, a espessura do notebook ou tablet poderá reduzir de cerca de 26 milímetros para 7,2 milímetros. A redução do consumo do processador, pode diminuir 4 vezes. Com mais espaço e arquitetura nova, o desempenho gráfico melhora 7 vezes nesta comparação. Vale lembrar que um protótipo com o novo processador foi demonstrado na última Computex. O Llama Mountain, como foi batizado, usa o processador para entregar 7,2 milímetros de espessura.

Broadwell-vs-Haswell

Tick: refinamento da estrutura tri-gate (FinFET) – Imagem: Reprodução/Intel

Mas e a comparação com o Haswell? Stephan Jourdan, diretor da Arquitetura SoC (System-on-Chip), afirma que o Broadwell Y tem 50% menos área que o Haswell Y. Em volume é uma redução de 25 %. O tamanho faz reduzir em duas vezes o TDP (Thermal Design Point). Isto também implica uma estrutura que não demanda refrigeração ativa. Outro ponto, está na redução agressiva do consumo de energia em estado de espera. Cerca de 60%. Esta redução é fruto de um novo método de operação e construção do controlador de energia. O detalhe é que o chip deveria ter sido lançado há algum tempo, mas teve que voltar para a fábrica por problemas. O problema parece superado com este anúncio.

As mudanças no processamento gráfico incluem o suporte nativo a resolução 4K Ultra HD. Seguindo também com suporte ao DirectX 11.2 e ao OpenGL 4.3. Ainda que a Intel mencione um aumento de poder computacional gráfico de 20% , não sabemos ao certo como isso vai refletir em uso real.

Informações mais concretas da performance dos novos processadores, e as especificações deles, devem aparecer no evento Intel Developer Forum, em São Francisco. Por ora, a Intel afirma que eletrônicos com o novo processador devem chegar no final do ano e mais fortemente em 2015. Parece que a arquitetura ARM finalmente pode ter um competidor a altura.

Com informações de: Intel