Lumia 1020 foto

O EXIF (conjunto de metadados de uma imagem) de duas fotos postadas ontem no Flickr denunciavam um aparelho chamado “Lumia 1020″. Somando isso ao fato de ambas foram postadas no perfil de Joe Belfiore, vice presidente da divisão do Windows Phone na Microsoft, é razoável concluir que tão esperado Windows Phone com câmera de 41 MP será sim chamado Lumia 1020. Clique na foto acima e veja por si mesmo que esta é uma imagem que merece a marca “Pureview”.

Corte da imagem em tamanho real

Corte da imagem em tamanho real

Algumas horas depois postados, os dois arquivos foram marcados como privados e não podem mais ser acessados. De qualquer maneira, as imagens contém tantos detalhes que podemos deduzir que Belfiore participou como corredor número 275 na maratona Paavo Nurmi, que ocorreu em Turku no dia 29 de Junho. É admirável como a câmera se sai bem ao capturar o cenário sob o céu nublado da Finlândia. Até as marcas de digitais na medalha foram preservadas.

Note que o retratado aparenta estar em um barco, o que significa que a máquina provavelmente optou por uma velocidade de obturador mais alta para compensar o movimento. Mesmo assim, a foto sai bem exposta. Aparentemente, o Lumia 1020 usa o mesmo sensor grande de seu ancestral, o PureView 808. Um CMOS de 1/1,2″ aliado a uma abertura ampla explicaria o efeito de profundidade de campo rasa que aparece na imagem.

Clique na imagem para vê-la na resolução original

Na segunda imagem, a câmera se deparou com uma cena um mais escura e um pouco mais de ruído poder ser percebido, mas o resultado ainda é bom quando consideramos as circunstâncias. Note que as linhas da cobertura azul continuam relativamente bem definidas. Isso demonstra que a abertura da máquina é ampla (no caso, f2,2) e que ela lida bem com problemas como o efeito moiré. Esta última característica é uma consequência da alta resolução do sensor.

Outro fato curioso é que esta imagem é mais larga que a primeira, o que indica que o Lumia 1020 não perderá a habilidade de tirar fotos com várias proporções. A maior resolução também deve ter sido parcialmente responsável pelo aumento na intesidade do ruído.

luima 1020 crop 100 2

Corte da segunda imagem em tamanho real

Para onde foram os 41 MP?

Como vocês devem ter notado, as imagens não têm 41 MP. A primeira foto mede 2352 x 1568 pixels (cerca de 3,7 MP) e a segunda mede 2947 x 1658 (quase 5 MP). Existem duas razões que podem explicar essa diferença. A primeira é que Belfiore pode ter diminuido os arquivos para tornar o upload mais rápido.

A segunda, muito mais plausível, é que o sistema de processamento de imagem do Lumia 1020 é o mesmo do PureView 808, que também tirava fotos de 3 MP, 5 MP ou 8 MP. Claro, a Nokia não está mentindo ou distorcendo suas afirmações. A câmera capta sim a informação de luz de cada um do 41 milhões de pontos sensíveis à luz do sensor. A parte especial é o que acontece depois: uma aplicação engenhosa do Teorema de Nyquist.

Entre 1924 e 1928, o cientista sueco Harry Nyquist desenvolveu um teorema que se tornaria fundamental para a teoria da informação. Uma exposição ingênua de parte de suas conclusões seria a seguinte: para capturar o máximo de informação disponível ao transformar um sinal a taxa de amostragem deve ser maior que o dobro da frequência mais alta do sinal coletado. Normalmente esse princípio é aplicado em outras áreas, como a gravação de som.

É isso que explica, por exemplo, porque a taxa de amostragem padrão em qualquer música digital é de 44,1 kHz: o ouvido humano pode distinguir, em média, ondas sonoras entre 20 Hz e 20 kHz. Em outras palavras, a música deve ter o dobro da resolução do ouvido humano para que ela soe sem distorções. A engenhosidade da Nokia consistiu em aplicar esse princípio para imagens. Podemos considerar que a frequência de informação de uma foto digital é a densidade de pixels que esta apresenta. Portanto, ao utilizar uma taxa de amostragem enorme para produzir uma imagem menor, o PureView consegue produzir uma foto final livre de ruído.

Ao aumentar a taxa de amostragem da câmera, o sistema da Nokia proporciona muitas vantagens. Entre elas, podemos citar aquilo que já notamos nas fotos acima: diminuição do ruído e resistência a distorções como a do efeito moiré. Outro benefício já aplicado na câmera do PureView 808 é um zoom digital de maior qualidade.

Nesse caso, a câmera gradualmente diminue a taxa de amostragem da foto final, de modo que cada pixel da foto passa a corresponder a um pixel físico no sensor. Isso, é claro, elimina as vantagens de sobreamostragem citadas acima, mas como o celular não precisa ampliar a imagem artificialmente, a resolução da foto não é prejudicada como no zoom digital tradicional.

Pin It on Pinterest