A indústria do entretenimento trava uma guerra constante contra a pirataria, mas parece que, até hoje, não percebeu que o problema, na maior parte do tempo, vem de sua falta de adaptação aos novos tempos. Uma prova disso vem de uma pesquisa realizada pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, que aponta que as diferenças de datas de lançamento de filmes entre os Estados Unidos e outros países é uma maneira bastante eficiente de incentivar a pirataria.

O problema principal é que muitos consumidores não estão dispostos a esperas semanas para assistir a um filme que já estreou nos Estados Unidos. Assim, para “matar” a ansiedade, acabam recorrendo a serviços de compartilhamento de arquivos na internet, mesmo quando a qualidade do material obtido deixa a desejar.

A pesquisa constatou que, atualmente, os estúdios de cinema perdem cerca de 7% de suas previsões de faturamento com a pirataria de filmes recém-lançados. Aparentemente, as perdas só não são maiores porque as diferenças de tempo de lançamentos entre Estados Unidos e outros países diminuíram: em 2004, a média era de 10,5 semanas de espera; hoje, é de quatro semanas.

Para reduzir ainda mais o problema, os pesquisadores recomendam deixar este intervalo o menor possível, especialmente de filmes de maior demanda, como obras de ação e ficção científica.

Referência: TheNextWeb.

Notícias relacionadas: Estados Unidos: filmes por streaming chegaram a 42% da população em 2011 Situação complicada: Kodak pede concordata nos Estados Unidos Filmes pela internet: Netflix já está disponível no Brasil Fabricantes de LCD pagarão multa nos Estados Unidos por combinação de preços Kodak pode estar prestes a pedir concordata nos Estados Unidos

Pin It on Pinterest