Escolha uma Página

Co-criador do RSS aos 14 anos de idade, um dos fundadores do Reddit, colaborador das definições das licenças Creative Commons, apoiador da Open Library. E há mais. Seu currículo é extenso. E poderia ter sido muito maior: Aaron Swartz cometeu suicídio em janeiro de 2013, no auge de seus 26 anos.

Além de excelente desenvolvedor, Swartz era um ferrenho defensor da livre disseminação de conhecimento. Foi este ideal que o fez invadir o JSTOR (uma base on-line norte-americana com milhões de trabalhos acadêmicos) e capturar quase 5 milhões de artigos para distribuí-los gratuitamente a qualquer interessado.

Aaron Swartz

Aaron Swartz

O acesso ao JSTOR é pago: atualmente, o plano mais simples custa 19,50 dólares por mês ou 179 dólares por ano. Mesmo assim, a quantidade de artigos que pode ser lida por mês / ano é limitada. Aaron Swartz achava que estas cobranças restringiam o acesso ao conhecimento e, portanto, decidiu agir.

Quando descobriu o responsável pelo vazamento dos artigos acadêmicos, a direção do JSTOR moveu um processo judicial. Quase que simultaneamente, Aaron Swartz passou a ser perseguido por autoridades dos Estados Unidos.

A pressão que o jovem desenvolvedor sofreu foi tão exagerada que ele entrou em depressão. No início de 2013, decidiu se livrar de toda a dor tirando a sua própria vida.

O caso gerou enorme comoção. Por mais que tivesse errado, Swartz não merecia o tratamento que teve. Ele realmente era um rapaz talentoso que lutava por razões nobres.

Ao menos alguém teve a ideia de preservar a memória de Aaron e fazer o mundo compreender a importância de seu trabalho criando um filme. O documentarista Brian Knappenberger realizou uma campanha no Kickstarter para arrecadar 75 mil dólares para a produção. Obteve quase 94 mil dólares.

O resultado é o documentário O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz (The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz), desde junho disponível livremente no YouTube e em outros meios.

Sério, assista. Já tem legenda em português e tudo (se não estivesse aparecendo no YouTube, procure a opção correspondente para habilitá-la). A obra narra com detalhes a vida de Aaron, desde os seus primeiros feitos quando ainda muito jovem até a sequência de acontecimentos que o fez adoecer e ter um fim tão trágico.

No final, o documentário nos faz entender que compartilhar conhecimento é mesmo importante e, ao mesmo tempo, deixa claro que leis de direitos autorais podem ser usadas para interesses obscuros.

Como eu disse no post à época do desfecho, “a gente sofre uma derrota toda vez que uma morte é a única coisa capaz de chamar a atenção para questões tão importantes”.

Emerson Alecrim