Foi um dia de surpresas. Ninguém esperava um papa argentino, nem que o Android pudesse ser engolido pelo Chrome OS. Parece que é isso o que o Google planeja fazer.
O anúncio de que Andy Rubin, criador do Android e vice-presidente sênior para Dispositivos Móveis e Conteúdo Digital, deixaria o cargo soou como um aviso. Para o seu lugar irá Sundar Pichai, vice-presidente sênior para o Chrome e Apps. Foi Pichai o grande responsável pelo sucesso do navegador e seu desdobramento no Chrome OS, um sistema que aposta na criação de um universo de aplicativos web.

O surgimento do Ubuntu para tablets e smartphones e do Firefox OS indica que o futuro dos dispositivos móveis passa pelo HTML 5. Quando os problemas de infraestrutura forem resolvidos e todo mundo estiver conectado o tempo todo, em qualquer lugar, não fará sentido manter times de desenvolvedores dedicados a diferentes plataformas. Um programa rodará em todos os dispositivos, pela internet ou com armazenamento de dados offline. Ninguém precisará se preocupar com atualizações. Faz muito mais sentido.

Claro que ainda há um longo caminho para que isso ocorra. Hoje, os aplicativos web ainda trazem menos funcionalidades. Os planos de 3G têm um custo alto no Brasil e funcionam mal e o 4G ninguém sabe quando realmente vai decolar. O Google, no entanto, trabalha com tendências e não está preocupado com o presente, mas com o futuro. Parece ter ficado claro para a companhia que os ecossistemas de apps têm data para acabar.

Para Sundar Pichai, os aplicativos para PC morreram em 2004. Ele chegou a declarar, no Google I/O de 2010, que o Skype foi o último programa inovador desenvolvido. Será? Certamente Pichai acredita que a mesma coisa vai acontecer com smartphones e tablets, em um futuro não muito distante. E vai trabalhar para estar pronto quando isso acontecer.

Pin It on Pinterest